Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Stylista

Anjelif



É hoje a apresentação oficial da Anjelif - a linha italiana de cremes assinada pela Francesca Angelini - uma gama criada com base em anos e anos de pesquisa e inovação do Grupo Angelini para os seus produtos dirigidos à indústria farmacêutica. 

Aprendi em Roma - onde conheci a marca pela 1ª vez há umas semanas - que nem tudo são falsas promessas nesta indústria dos milagres; há efectivamente ingredientes nos cremes que podem dar à pele o que ela produz em menos quantidade (com o avançar da idade) para ajudar na - muito necessária deste lado! - recuperação de elasticidade, firmeza e hidratação.

Adorei ter conhecido as cientistas e dermatologistas por trás deste projecto - umas senhoras de 60 anos com a pele que eu pagava para ter - e gostei de saber também que a regulamentação para este tipo de produtos mudou, para proteger consumidor. OU SEJA, a partir de agora acabou-se (espero) a conversa do impossível-possível. Os produtos já só podem comunicar resultados evidentes e realistas. 


Neste caso, a credibilidade dos produtos vem do mix ciência-medicina-inovação do grupo-mãe e dispensa qualquer informação-decorativa, não factual.


Prometo trazer fotos do evento!

sábados



Desconfio que depois do Príncipe Real o Cais do Sodré pode muito bem vir a ser o novo cantinho lisboeta a ganhar hype diurno. 

Temos esta atracção pela decadência; pelas áreas escuras convidativas e boémias, pelo abandono estético e pelo vazio urbano onde cabe MAIS - e mais solta - a vibração humana. Não é nova esta vontade de invadir espaços aparentemente esquecidos e depois ir polindo polindo polindo até aparecer mais uma zona cheia de cantos giros, de restaurantes cool, de bares que aparecem em qualquer porta, de lojas novas, de quiosques, de arte e de música. Uma mecânica clássica que vai do degradado ao caro, passando pelo sítio do momento e avançando inevitavelmente, para novas conquistas e recuperações.

O Largo de S.Paulo já tem a Taberna Tosca há uns anos - que adoro - com uma esplanada para dias sem chuva (de rua é que nós gostamos!) e agora mais um vizinho, a Galeria, que entre bebidas e thins traz  exposições, eventos de lançamento de produto, mostra de colecções de marcas, vendas privadas de roupa em 2ª mão e mais uma série de ideias pensadas e comunicadas a bom ritmo na página de Facebook.

Falta pouco até vermos o Largo cheio de gente na esplanada ao sol e muita oferta em todas as portas cinrcundantes.


Imagens Galeria


Afinal o tuga é um mega empreendedor cheio de ideias e bom gosto que, a passos bem rápidos está a transformar as cidades portuguesas em bonitas manifestações públicas de orgulho nacional.

Concordam?

casaco Zara ⎪ jeans Zara ⎪ ténis Vans SK8-Hi
jóias detox HLC

still a fave



Tenho queda para carteirinhas pequenas de usar a tiracolo ou ao ombro mas a verdade - percebi esta semana - é que nos dias de trabalho só uso estas duas Antick. A prateada pequena para agenda, computador e todo o tipo de mini tralhas e a dourada XXL quando são dias de produção e preciso de andar com a casa atrás.  

Os punch holes prateados agora só me fazem lembrar Céline Spring'14! Confesso este defeito de profissão: tenho o olho tão treinado para associações a colecções, imagens e estilos que ando a brincar ao 'ligar os pontos' 24 horas por dia, com qualquer detalhe micro, e mesmo - porque é mais forte que eu - quando não há pontos nenhuns, só meras coincidências divertidas.




Sacos linha Antick, Xêpa.

detox jóias



Entre a ornamentação excessiva de fim do ano e as pedrarias da próxima primavera TEM QUE haver uma pausa. Um copo de água. Uma limpeza. Um 'calma'. Um respirar fundo. Uma fase de transição. 

Lembrei-me disto porque estou nessa fase do 'nem cá nem lá'; não quero andar cheia de dourados nem estou preparada para explosões de cores. 

Time out.

Quero LUZ e os acessórios mais pequeninos, mais delicados, mais simples e mais discretos que houver por aí. Isso ou nada de nada de nada. Estamos em Fevereiro, chove sem parar, quero usar o equivalente estilístico a paz e uma chávena de chá.

Dei a ideia à HLC e assim salta para as orelhas, pulsos e dedos indicadores, a colecção-cápsula detox com 3 peças, todas elas crivadas de cristais brancos.


Vêem a pulseira? 

Um fio que espreita o que se passa por fora de umas mangas compridas e que se pendura na mão a dançar devagarinho. Muito subtil.


Vêem o anel? É tão discreto que só se percebe que lá está quando reflecte LUZ.


E agora descubram o brinco - não o coral ironia verão'13 - o mais pequeno.

É tão micro que se tivesse menos meio milímetro se enfiava no furo. Uma preciosidade, um pontinho, um cristal de neve. Lindo em par e perfeito para outras zonas da orelha.


Camisa e jeans são de uns saldos quaisquer da Zara (Verão) e o casaco
- um verdadeiro achado a preço de feira - 
também dos saldos, do El Corte Inglés.


Anel, brincos e pulseira detox.

Encomendas em helena@hlc.pt

Fotografia: Sílvia Ferreira

radar



vestido Zara


Um vestido de alto verão. Um vestidinho para um jantar-sem-história com umas sandálias rasas e - se o jantar não for completamente a sul - um casaco leve ou lenço. Um vestido festivaleiro que só pede uns botins e um perfecto em pele. Um 'vou só ali beber um copo' durante as férias, com colares pendentes a animarem aquele decote. E agora em fevereiro - porque não? - com collants opacos, um top justo deste género por baixo (já agora com manga comprida) e um casaco QUENTE de 3/4s.

baixa






Um Domingo sem chuva, bicicleta a três, um brunch mais-que-perfeito no Hemingway, uma visita ao MUDE com especial enfoque no piso Felipe Oliveira Baptista - ENORME orgulho nacional, gigantesca referência no circuito internacional do design de moda (e ainda, em ascensão galopante) - sem deixar de ficar embasbacada com a cenografia do espaço e com, três pisos abaixo, os cofres impressionantes - também pelo design - do antigo BNU. 

A meio da pergunta 'como é que um domingo pode ser tão intenso?' aterro pela 1ª vez no Terreiro do Paço renovado - Lisboa, desculpa! não consigo acompanhar tudo - e sinto-me uma estrangeira em viagem, no meio de mil esplanadas impecavelmente arrumadas e cheias de gente gira vinda sei lá de onde, a beber espumante ao sol. 

Acabei o dia a QUERER fazer check in num Hostel da baixa, agendar um tour de segway, passear nos carrinhos amarelos, descobrir restaurantes novos e procurar rotas alternativas nesta cidade que está cada vez melhor.


Talvez no próximo fim-de-semana ;)

Mais imagens aqui.